sábado, 30 de novembro de 2013

Revista O Consistório Edição Histórica Nº 3 (Distribuição gratuita)

   No corredor de acesso à Sala da Administração do Consistório Nº 1, encontram-se disponíveis gratuitamente e em número limitado, exemplares da Revista O Consistório, edição de número 3 (Edição histórica), ano 1996.
  Nesse exemplar são apresentados, entre outros, os seguintes artigos:
- Biografia do maestro e maçom ANTÔNIO CARLOS GOMES;
- As origens da Ordem Maçônica;
- As Cruzadas, a Ordem do Templo e o Templários;
- O Corvo, a pomba, águia bicéfala e fênix.

    A oferta das revistas têm o objetivo principal de agraciar o maçons que visitam a Sede do nosso Supremo Conselho em São Cristóvão, a Câmara Filosófica do Consistório Nº 1 e, especialmente, todos maçons do Grau 31 (Grande Inspetor Inquisidor Comendador), do Grau 32 (Sublime Príncipe do Real Segredo) e do Grau 33 (Grande Inspetor Geral).
O maestro maçom e paulista ANTÔNIO CARLOS GOMES
foi o mais importante compositor de ópera brasileiro.

2 comentários:

  1. Comandante-em-Chefe, Ir. Sacramento. Consistório, nº 1
    De fato, assiste razão o seu comentário de apresentação da Revista do Consistório, hoje, extinta, por falta de colaboradores, por ser verdadeiro o fato. Era uma grande publicação, que foi substituída pelo O GRAAL, que foi extinta pelo mesmo motivo. Outrossim, a bem, ainda, da verdade, nós que estávamos no grupo dos organizadores da Revista, julgava-mos que haveria um bom número de assinantes, mas foi outra grande frustação, pois os nossos Irmãos dos Graus 4º ao 33º não se interessaram, com excessão de poucos. Então, ficou decidido que a Revista seria mandada para os outros Consistórios, ao longo do território Nacional. Foi, assim, muito tempo. E, finalmente, passou a fazer parte do "pacote" que os que eram elevados ganhavam junto com os Rituais, Medalha e a Fita do Grau, além da Legislação do REAA. Dessa forma, acabou vindo o fim das publicações. A maçonaria brasileira, apesar de grandes expoentes e pessoas verdaeiramente interessadas e que doaram suas vidas pela Arte Real, tombando no cumprimento do dever, como assistimos aqui mesmo, no Palácio Maçônico, onde os últimos Soberanos "sairam" pela morte, a maioria não se interessa e pior não dão valor. Digo e assumo a responsabilidade por estas palavras, pois como sou um dos mais antigos Membros Efetivos do Consistório nº 1 e com 33 anos de Ordem e 70 de idade, posso declarar alto e bom som que falo a verdade e sempre fui dedicado a Maçonaria, onde passei mais da metade da minha vida ativa de Cidadão,
    Se hoje, temos um Paláciio Escocês, com a beleza e a riqueza que adorna o seu belo interior, isso se deve a abnegação daqueles que ficaram aqui, com fidelidade e amor por anos a fio e aos nossos Soberanos e membros do Santo Império que doaram suas vidas, no sacrifício de construir o uma Maçonaria Escocêsa para as futuras gerações.
    Grande Inspetor Geral, Ir. Sangenis, Membro Efetivo do Consistório, nº 1.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, meu Irmão por mais esta detalhada informação.
    Receba nosso tríplice abraço.

    ResponderExcluir

A ADMINISTRAÇÃO DO CONSISTÓRIO Nº 1 AGRADECE A SUA PARTICIPAÇÃO.